Mês: março 2016 (Page 1 of 3)

Reiki e Kannon – A Grande Deusa da Compaixão (parte-1)

Kannon – A Deusa da Grande Compaixão
Kuan Yin.2
(観音 – Japonês) (chin.: Kuan Yin, Kuan Shi Yin; Sânsc.: Avalokiteswara, Âryâvalokitesvara, Lokesvara; Tib.: Spyan-ras-gzigs ou Tara)
Kannon é a Deusa da Grande Compaixão. Ela é um Bodhisattva, ou seja, um ser que jurou levar todos os seres à felicidade. Apesar de seus traços predominantemente femininos, ela também é vista como um ser masculino em alguns países. Ela é especialmente importante para o Reiki porque: É o ser espiritual que está por trás do símbolo SHK; Ocupa o segundo lugar na linhagem de poder nas iniciações de Reiki, uma vez que o Reiki – a energia vital espiritual de Dainichi Nyorai – é transmitido aos seres humanos por meio dela. Kannon aparece em muitos sutras. Os mais importantes são o Hokkekyô, Kegon kyô e Muryôjukyô.
Esses sutras dizem como ela pode ouvir as vozes de todos os seres que precisam de ajuda. Ela faz tudo o que está em seu poder para ajudar esses seres. Houve um tempo em que ela desceu aos reinos infernais e começou a libertar um a um os seres que lá se encontravam. Era um trabalho difícil. Mas os infernos não ficavam vazios, sempre voltando a encher-se com novas almas. Isso a deixou tão triste e irritada que chegou a explodir, literalmente. Outros seres de luz logo a recompuseram, mas sem saber onde fixar todas as partes. Assim, quando completa, ela ficou com muitos braços e cabeças. Daí as 33 formas de Kannon, com as suas múltiplas habilidades.
As mais importantes para o Reiki serão explicadas abaixo. No fim, algumas lágrimas multicoloridas caíram dos seus olhos. À medida que as lágrimas tocavam o chão, transformavam-se em deusas Tara de diferentes cores que, desde então, vêm ajudando Kannon. Kannon não trabalha sozinha. Ela aparece frequentemente na companhia de outros seres de luz. Entre estes estão o Buda do Paraíso Amida Nyorai, cujo Siddham é também o símbolo SHK. Quando uma pessoa morre, Kannon aproxima-se da alma do morto e a ajuda a colocar-se sobre uma flor de lótus, levando-a em seguida ao paraíso de Amida Nyorai. Há no Japão algumas peregrinações para Kannon.
Elas se desenvolveram quando os monges ambulantes levaram os ensinamentos libertadores de Kannon para o povo e construíram muitas pequenas torres sagradas e templos para a realização de milagres. Ainda hoje é possível testemunhar os seus poderes de cura nesses lugares. Obviamente, há também inúmeras histórias na literatura japonesa, algumas das quais são narradas abaixo (continua…)
(obs: o texto é extenso e será postado em partes)
Fonte: O Grande Livro de Símbolos do Reiki – Mark Hosak e Walter Lubeck, pg.122

Kuan Ti – Deus da Guerra

Kuan Ti não é um anjo e sim uma divindade chinesa. Também conhecido como Kuan Jung, Kuan Yu e Guan YuKuan Ti.
Lealdade e pacifismo são seus lemas. Poderíamos dizer que suas orientações foram dadas para os tempos difíceis que estamos passando no Brasil e no mundo com as guerras.
Doreen Virtue escreveu sobre ele em seu livro: Arcanjos e Mestres Ascensos:
Kuan Ti é o deus guerreiro chinês que atua na prevenção das guerras. Tem o dom de prever o futuro e protege as pessoas dos espíritos inferiores.
Em sua encarnação humana, Kuan Ti foi um herói de guerra chinês e general da dinastia Han, conhecido por seu talento militar e decisões inteligentes. Quando faleceu, foi elevado ao estado de divindade. Ele trabalha ombro a ombro com o Arcanjo Miguel em questões de justiça dentro de sistemas de governo.
Ele diz:
– Os homens que estão em cargos de poder estão se envolvendo em um perigoso jogo enquanto brandem suas armas sem medir consequências. Se não contivermos essas ações, teremos um tiro pela culatra explodindo em guerras de grandes proporções. O povo precisa intervir e exigir o emprego de métodos pacíficos para substituir essas tramas perigosas com o objetivo de ganhar dinheiro e controle. Estarei ao lado desse povo quando substituirmos os líderes tiranos por pessoas capazes de agir com sabedoria e compreensão. É o único caminho.
Enquanto estava sentada num zoológico da China, diante de um belo aviário, pedi a Kuan Ti para me aconselhar sobre como poderíamos evitar as guerra e manifestar a paz mundial. Ele me respondeu com uma poderosa energia:
No momento, precisamos de soldados espirituais, dispostos a marchar sob as ordens do seu comandante interior, pessoas que não se preocuparão com chacotas ou reprimendas vindas do mundo exterior. Sua obediência deverá ser unicamente devida ao poderoso general que fica no âmago do seu ser. Assim, a verdade prevalecerá e voltará a haver uma possibilidade de paz neste planeta.
O que favorece:
  • Justiça e liberdade para pessoas falsamente acusadas e prisioneiros de guerra
  • Assuntos legais
  • Profecias sobre eventos mundiais
  • Faculdades psíquicas, aprimoramento crescente
  • Abertura de espaço
  • Libertação do espírito
  • Guerras, prevenção e fim.
INVOCAÇÃO
Chame por Kuan Ti se você estiver preocupado com os acontecimentos mundiais, em especial os que envolvem ações militares. Diga mentalmente:
“Kuan Ti, peço sua intervenção, sabedoria e conselhos sobre (descreva a situação). Agradeço pelo seu auxílio e por trazer uma solução pacífica através da sabedoria e compreensão. Obrigado por assistir e aconselhar os líderes envolvidos, incentivando-os a usar seu poder em benefício do seu povo e da humanidade.”

 

Anne Frank

Anne-Frank-DeskMuitas meninas gostam de escrever seus pensamentos em diários ou cadernos de confidência. Normalmente cheios de sentimentos e sonhos, desejos secretos, amores e desilusões. Mas, em momento algum se imagina que essas anotações podem um dia vir a inspirar multidões e até presidentes.
Anne Frank, era uma menina muito dinâmica  e inteligente, usava um diário para contar a sua convivência familiar, suas descobertas da juventude e as impressões do mundo ao seu redor.
Anne Frank gostava muito de ler e escrever. Sonhava em ser jornalista ou escritora, queria ser muito mais do que as mulheres de seu tempo eram, não queria ser apenas uma dona de casa que cuidava dos filhos e da casa.
Quando tinha 13 anos, ganhou de um diário de presente de seu pai e começou imediatamente a escrever. A princípio contava coisas corriqueiras da sua vida e como era o relacionamento com a mãe e a irmã. Nesse período o Nazismo crescia e começavam os ataques ao judeus. Sendo sua família judia, também tiveram que fugir dos ataques antissemitas.
A família Frank foi acolhida por amigos que os esconderam num prédio onde tinha um quarto secreto. O local tinha três andares, mas era muito pequeno e escuro. Anne chamou esse lugar de O Anexo Secreto. Durante mais ou menos dois anos, eles ficaram nessa casa, dividindo um espaço minúsculo com outras duas famílias. Todo esse tempo em que eles ficaram escondidos, Anne Frank ia escrevendo como era o dia a dia da família, muitas vezes desesperador por causa do espaço e do risco que corriam em serem descobertos.
Finalmente chegou o dia fatídico em que eles foram traídos por algum conhecido da família e que até hoje não se sabe quem foi o delator e acabaram sendo condenados como criminosos por estarem se escondendo. Foram  levados a uma prisão, depois foram transferidos para o campo de concentração em Westerbork e finalmente para Auschwitz onde foram separados do pai, Otto Frank.
Anne escreveu em seu diário pela última vez, três dias antes de serem apanhados pela polícia alemã. Os acontecimentos depois disso são relatados por amigos e conhecidos da família.
Em Auschwitz, Anne, sua mãe Edith e sua irmã Margot sofreram com as brutalidades cometidas contra os judeus nos campos de concentração. Tiveram suas cabeças raspadas, foram submetidas à desinfestação, foram marcadas com um número de identificação e faziam trabalhos forçados.
As epidemias de doenças nos campos eram frequentes. Anne ficou doente e foi separada das demais juntamente com sua irmã. Elas ficaram numa enfermaria suja e deplorável. Sua mãe conseguia vê-las e dava sua cota de pão às escondidas. Com isso Edith estava enfraquecendo o que acabou a levando a morte mais tarde.
As meninas se recuperaram da doença e foram enviadas para um outro campo em Bergen-Belsen, sua mãe ainda estava viva quando elas partiram. Os relatos depois disso são descritos por umas amigas que conseguiram sobreviver ao holocausto e se encontravam com Anne nos campos. Em 1945, o campo estava com uma grave epidemia de tifo e que matou mais de dezessete mil pessoas. No começo de Fevereiro desse ano, a amiga de Anne, Hanneli Goslar, disse que perdeu o contato com ela. Mais tarde a Cruz Vermelha confirmou a morte das irmãs que foram enterradas entre os milhares de mortos desse campo impossibilitando a identificação dos mesmos.
O diário de Anne Frank foi encontrado por Miep Gies e Bep Voskuijl logo após a família ter sido levada pela polícia alemã. Elas guardaram todas as folhas juntamente com objetos pessoais e fotografias pensando em um dia devolver tudo para eles. Somente Otto Frank sobreviveu e após ter recebido e lido o diário da filha, vendo que ela tinha o desejo de ser escritora, resolveu publicar.
O diário acabou se tornando objeto de estudo por escolas e universidades pelo seu conteúdo que era rico em detalhes sobre a segunda guerra.
Logo abaixo você encontra os link´s para documentários e filmes sobre a vida de Anne Frank.
Entrevista feita pela Rede Globo em 2012, com uma amiga que conviveu com Anne Frank, Nanette Blitz, que veio morar no Brasil depois da libertação do campo de Bergen-Belsen. Link
YouTube – Biografia de Anne Frank
Filme: Minha Querida Anne Frank
Filme: O Diário de Anne Frank

Dia Mundial da Água!

História do Dia Mundial da Água, 22 de março, Declaração Universal dos Direitos da Água, sugestões de preservação e frases.

Dia-mundial-da-agua-41

História do Dia Mundial da Água

O Dia Mundial da Água foi criado pela ONU (Organização das Nações Unidas) no dia 22 de março de 1992. O dia 22 de março, de cada ano, é destinado a discussão sobre os diversos temas relacionadas a este importante bem natural.
Mas porque a ONU se preocupou com a água se sabemos que dois terços do planeta Terra é formado por este precioso líquido? A razão é que pouca quantidade, cerca de 0,008 %, do total da água do nosso planeta é potável (própria para o consumo). E como sabemos, grande parte das fontes desta água (rios, lagos e represas) esta sendo contaminada, poluída e degradada pela ação predatória do homem. Esta situação é preocupante, pois poderá faltar, num futuro próximo, água para o consumo de grande parte da população mundial. Pensando nisso, foi instituído o Dia Mundial da Água, cujo objetivo principal é criar um momento de reflexão, análise, conscientização e elaboração de medidas práticas para resolver tal problema.
No dia 22 de março de 1992, a ONU também divulgou um importante documento: a “Declaração Universal dos Direitos da Água” (leia abaixo). Este texto apresenta uma série de medidas, sugestões e informações que servem para despertar a consciência ecológica da população e dos governantes para a questão da água.
Mas como devemos comemorar esta importante data? Não só neste dia, mas também nos outros 364 dias do ano, precisamos tomar atitudes em nosso dia-a-dia que colaborem para a preservação e economia deste bem natural. Sugestões não faltam: não jogar lixo nos rios e lagos; economizar água nas atividades cotidianas (banho, escovação de dentes, lavagem de louças etc.); reutilizar a água em diversas situações; respeitar as regiões de mananciais e divulgar ideias ecológicas para amigos, parentes e outras pessoas.
Declaração Universal dos Direitos da Água
Art. 1º – A água faz parte do patrimônio do planeta. Cada continente, cada povo, cada nação, cada região, cada cidade, cada cidadão é plenamente responsável aos olhos de todos.
Art. 2º – A água é a seiva do nosso planeta. Ela é a condição essencial de vida de todo ser vegetal, animal ou humano. Sem ela não poderíamos conceber como são a atmosfera, o clima, a vegetação, a cultura ou a agricultura. O direito à água é um dos direitos fundamentais do ser humano: o direito à vida, tal qual é estipulado do Art. 3 º da Declaração dos Direitos do Homem.
Art. 3º – Os recursos naturais de transformação da água em água potável são lentos, frágeis e muito limitados. Assim sendo, a água deve ser manipulada com racionalidade, precaução e parcimônia.
Art. 4º – O equilíbrio e o futuro do nosso planeta dependem da preservação da água e de seus ciclos. Estes devem permanecer intactos e funcionando normalmente para garantir a continuidade da vida sobre a Terra. Este equilíbrio depende, em particular, da preservação dos mares e oceanos, por onde os ciclos começam.
Art. 5º – A água não é somente uma herança dos nossos predecessores; ela é, sobretudo, um empréstimo aos nossos sucessores. Sua proteção constitui uma necessidade vital, assim como uma obrigação moral do homem para com as gerações presentes e futuras.
Art. 6º – A água não é uma doação gratuita da natureza; ela tem um valor econômico: precisa-se saber que ela é, algumas vezes, rara e dispendiosa e que pode muito bem escassear em qualquer região do mundo.
Art. 7º – A água não deve ser desperdiçada, nem poluída, nem envenenada. De maneira geral, sua utilização deve ser feita com consciência e discernimento para que não se chegue a uma situação de esgotamento ou de deterioração da qualidade das reservas atualmente disponíveis.
Art. 8º – A utilização da água implica no respeito à lei. Sua proteção constitui uma obrigação jurídica para todo homem ou grupo social que a utiliza. Esta questão não deve ser ignorada nem pelo homem nem pelo Estado.
Art. 9º – A gestão da água impõe um equilíbrio entre os imperativos de sua proteção e as necessidades de ordem econômica, sanitária e social.
Art. 10º – O planejamento da gestão da água deve levar em conta a solidariedade e o consenso em razão de sua distribuição desigual sobre a Terra.
Frases sobre o Dia Mundial da Água:
– Água é vida. Vamos usar com inteligência para que ela nunca falte.
– O futuro de nosso planeta depende da forma com que usamos a água hoje.
– Todo dia é dia de água, pois ela está presente em tudo e em todos.
– O Dia Mundial da Água não é só para pensar, mas principalmente para agir: vamos usar este recurso natural com sabedoria para que ele nunca acabe.
– Sem a água não haveria vida na Terra! Pense nisso neste Dia Mundial da Água.
– O uso racional da água hoje é a garantia deste importante recurso natural para as futuras gerações.
Você sabia?

dia-mundial-da-agua-11

 

 

 

 

 

 

 

 

2013 foi o Ano Internacional de Cooperação pela Água. O ano foi definido pela UNESCO como forma de incentivar o uso racional dos recursos hídricos do planeta.
(Fonte: suapesquisa.com)

Dia Internacional contra a Discriminação Racial

Em destaque coloquei as duas mulheres que sofreram ataques de discriminação racial nos últimos tempos, Maria Julia Coutinho e Taís Araujo. São mulheres que estão na mídia e por isso a repercussão foi grande, mas e quantas outras sofrem todos os dias essa discriminação e que não ficamos sabendo?
Vamos juntos comemorar esse dia e lutar contra a Discriminação Racial, denuncie!
Indico esse dois filmes (dentre muitos) que tratam sobre a discriminação, principalmente contra a mulher:
Trailer Oficial de “Histórias Cruzadas”
A Cor Púrpura Assistir filme completo dublado  
(Cris Quadros)

maria julia coutinho Tais Araujo

 

 

 

 

 

 

 

O Dia Internacional de Luta pela Eliminação da Discriminação Racial foi criado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e celebra-se em 21 de março em referência ao Massacre de Sharpeville.
Em 21 de março de 1960, em Johanesburgo, na África do Sul, 20.000 pessoas faziam um protesto contra a Lei do Passe, que obrigava a população negra a portar um cartão que continha os locais onde era permitida sua circulação. Porém, mesmo tratando-se de uma manifestação pacífica, a polícia do regime de apartheid abriu fogo sobre a multidão desarmada resultando em 69 mortos e 186 feridos. Em memória a este massacre a Organização das Nações Unidas – ONU – instituiu 21 de março o dia Internacional de Luta contra a Discriminação Racial.
O Racismo no Brasil
A legislação brasileira instituiu os primeiros conceitos de racismo em 1951 com a Lei Afonso Arinos (1.390/51) que classificava a prática como contravenção penal. Somente a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 5.º, XLII, é que classificou a prática do racismo como crime inafiançável e imprescritível, sujeitando o delinquente a pena de reclusão.
Como denunciar
Segundo o MPDFT, para denunciar  injúria racial ou racismo, a vítima pode prestar queixa na delegacia, usar o disque-denúncia (124) ou recorrer à ouvidoria do órgão. É importante reunir elementos suficientes para que o autor seja denunciado. “Tome nota da situação, procure a ajuda de possíveis testemunhas e identifique precisamente o agressor”, indica o MPDFT. Em caso de lesão corporal, fazer   exame de corpo de delito (mediante boletim de ocorrência) é indispensável.

Fonte: Da redação do Jornal de Brasília, Wikipédia, Google.

Ana Bolena – Rainha da Inglaterra

Ana bolenaA história de Ana Bolena tem muitas controvérsias, muitas biografias foram escritas, mas divergindo sobre os acontecimentos, inclusive, não se tem um registro oficial do seu nascimento.
A maior importância na história de Ana Bolena, foi que com a sua interferência junto ao rei Henrique VIII, houve um rompimento entre o reino da Inglaterra com a cúpula da Igreja Católica Romana, vindo a ser fundada e que até hoje é a religião dominante na Inglaterra, a Igreja Anglicana.
Esse rompimento se deu principalmente porque o rei Henrique VIII queria se casar com Ana Bolena, mas como ainda era casado com Catarina de Aragão, precisava da permissão da igreja para se divorciar. A igreja não aceitava o divórcio, pois implicava em perdas políticas, nessa época como sabemos, os casamentos são arranjados principalmente por interesses políticos de ambos os lados. Outro fator que implicava na recusa da igreja é que Catarina era extremamente fiel à igreja e Ana Bolena não.
Estando o rei querendo a todo custo deixar um herdeiro para o trono, e sua atual esposa, Catarina, não havia lhe dado esse herdeiro homem, ela teve uma filha, Maria, e o rei usou esse fato como um forte argumento para o rompimento.
Henrique VIII conheceu Ana Bolena na corte, quando ela visitava sua irmã Maria Bolena que já era amante do rei. Ele logo se encantou com Ana e queria que ela se tornasse sua amante, mas ela não aceitou a proposta, dizia que só se entregaria a um homem quando se casasse. Uns dizem que essa era uma estratégia para conquistar o rei e colocar Ana no poder. Estratégia ou não, acabou dando certo.
Quando Henrique VIII finalmente rompeu com a igreja e marcou seu casamento com Ana, faltando pouco tempo para a cerimônia, Ana finalmente cedeu às investidas do rei e consumaram a união. Nesse período Ana ficou grávida o que deixou o rei muito feliz e esperançoso. Veio então a cerimônia e a consagração de Ana como rainha, mesmo sofrendo com o desagrado da igreja e dos fieis que eram a favor de Catarina. Muitas pessoas não compareceram à festa em protesto.
Ana Bolena, agora rainha, tentou ganhar o apoio do povo, fazendo caridade e tentando ajudar o povo como podia, porém, nas suas costas, os oposicionistas tratavam contra ela, pois o rei lhe dava ouvidos tirando muita gente do poder.
Quando Ana teve sua primeira filha, Isabel I, o rei começou a ficar frustrado com Ana e começou a se afastar dela. Ana teve outras gestações, mas acabou perdendo as crianças. Aqui também ficam algumas controvérsias sobre quantas vezes elas perdeu os filhos. Nesse ínterim, Joana Seymour, aia da Ana, ganhou o posto de amante oficial do rei.
Esses fatos davam força aos oposicionistas de Ana para influenciar o rei contra ela, começaram os rumores de que ela o traia com vários homens da corte, inclusive que praticava incesto com seu irmão, Jorge Bolena. A trama acabou levando-a a prisão na Torre Verde. Após 1000 dias de reinado, Ana foi condenada à execução por degolamento.
Ana Bolena exigiu que seu executor fosse francês, ela queria ganhar tempo para tentar dissuadir o rei a seu favor. Mas, foi inútil. Na manhã de sexta-feira, 19 de maio de 1536, Ana Bolena foi executada.
Antes da execução, Ana Bolena ainda proferiu uma oração em favor do rei.
Bom povo cristão vim aqui para morrer, de acordo com a lei, e pela lei fui julgada para morrer, e por isso não vou falar nada contra ela. Não vim aqui para acusar ninguém, nem para falar de algo de que sou acusada e condenada a morrer, mas rezo a Deus para que salve o rei e que ele tenha um longo reinado sobre vós, pois nunca um príncipe tão misericordioso esteve lá: e para mim ele será sempre um bom, gentil e soberano Senhor. E se qualquer pessoa ponha isso em causa, obrigá-la-ei a julgar os melhores. E assim deixo o mundo e todos vós, e sinceramente desejo que todos rezem por mim. Ó Senhor, tem misericórdia de mim, eu louvo a Deus a minha alma.
Ana obteve o que requisitava, mostrando que até nos seus últimos momentos, ainda era capaz de impressionar o rei. Ela foi decapitada por um carrasco francês, tal como pedira. Henrique não providenciou um sepulcro para Ana, e assim o seu corpo e a cabeça foram enterrados num túmulo desmarcado na Capela Real de São Pedro ad Vincula.
O filme “A Outra”, retrata a história de Ana Bolena e sua irmã Maria Bolena. Filme muito bom e emocionante.
LINK PARA O TRAILER.
A série The Tudors, também conta a história do reinado de Henrique VIII, super indico.
LINK PARA O TRAILER.

 

 

Arcanjo Rafael

gabriel
Segundo a tradição, Gabriel e seus anjos são os mensageiros das boas notícias, nos ajudam a dar bom rumo e direção à nossa vida, nos dão compreensão e sabedoria. É a ele que recorremos quando necessitamos desses dons.

 

 

 

 

 

Oração a Arcanjo Gabriel:
Portador das boas novas, das mudanças,
da sabedoria e da inteligência.
Arcanjo da Anunciação, trazei todos os dias
mensagens boas e otimistas.
Por favor, abra meus canais criativos para que eu possa ser verdadeiramente inspirada.
Ajude-me a abrir minha mente para eu ter ideias inovadoras.
Ajude-me a sustentar a energia e motivação para levar à frente os meus projetos.
Fazei com que eu também seja uma mensageira,
proferindo somente palavras e atos de bondade e positivismo.
Concedei-me o alcance de meus objetivos.
Obrigada!
Que assim seja!

Clara Barton – Fundadora da Cruz Vermelha Americana

clara bartonClarissa Harlowe Barton “Clara Barton” (1821 a 1912), é mais conhecida como fundadora da Cruz Vermelha Americana. Ela trabalhou como professora, enfermeira, escriturária e atuou como filantropa, arrecadando fundos nos tempos de guerra. Durante a guerra civil americana, depois de insistir muito com o comandante, ela organizou uma equipe para levar auxílio para soldados feridos, levando mantimentos e remédios, dirigindo ela mesma o caminhão. Ela ficou conhecida como “o anjo do campo de batalha”.
Em 1864, Clara, atuou como superintendente da União das enfermeiras. Após a guerra, ela recebeu permissão do Presidente Lincoln para começar uma campanha de cartas para procurar os soldados desaparecidos. Mais tarde trabalhou para a Cruz Vermelha Internacional durante a guerra franco-prussiana de 1870 a 1871. Ela fundou a filial americana da Cruz Vermelha em 1881 e serviu como presidente da organização até 1904. Depois de alguns anos, ela escreveu uma emenda para a Constituição Americana, que previa o atendimento da Cruz Vermelha, tanto para os tempos de guerra, quando para outras situações que precisassem de socorro, como em catástrofes naturais como: enchentes, terremotos, pestes, fome, não só para os Estados Unidos como para o mundo todo.
Após ter sido forçada a renunciar em seu cargo de presidente da Cruz Vermelha, por receber críticas pelo seu estilo de liderança, Clara se aposentou mas permaneceu muito ativa até seus 91 anos. Ela escreveu um livro autobiográfico intitulado: “A história da minha infância”. Seu propósito ao escrever o livro, explica ela no prefácio, era responder solicitações de crianças que a estudavam nas aulas de história americana na escola e queriam saber mais sobre sua vida e sua carreira. O livro conta sua vida desde a infância em uma fazenda em Oxford, Massachusetts, como filha mais nova de 10 crianças, e conta duas experiências que deu forma ao seu trabalho: cuidar de seu irmão David até que ele tivesse sua saúde restabelecida depois de se ferir gravemente em um acidente e se tornar professora de primário com 17 anos.
Clara Barton morreu em 12 de abril de 1912 de complicações de um resfriado. A missão de sua vida pode ser resumida em suas próprias palavras:
“Você nunca deve pensar tanto como quer você goste ou não, se é suportável ou não, você nunca deve pensar em nada, exceto na necessidade e como fazer para cuidar disso”.

Arcanjo Jofiel – Iluminação e Sabedoria

jofiel
Arcanjo Jofiel, nos ajuda nos momentos de indecisões, quando buscamos inspiração para novos projetos, quando estamos preocupados com o caminho a seguir, quando a negatividade tenta tomar conta dos pensamentos.
Arcanjo Jofiel é protetor dos Mestres, Professores e dos Artistas.
Sua irradiação tem a cor Amarelo-Dourado.

 

 

 

 

 

 

Invocação:
“Arcanjo Jofiel, peço seu auxílio para resolver (descreva a situação). Obrigada por me ajudar a ver a Divina beleza interior que há dentro de mim e de todos os que me cercam. Agradeço pela sua intervenção na criação de um belo resultado. Cheio de Gratidão e em nome de tudo o que é belo, eu lhe digo: Obrigada Jofiel”.
(Oração extraída do livro de Doreen Virtue – Arcanjos e Mestres Ascensos)

Frida Kahlo

fridaFrida Kahlo nasceu, Magdalena Carmen Frieda Kahlo y Calderónem  em 1907.
Teve uma infância difícil após contrair poliomielite, o que a deixou manca da perna direita, por conta disso, sofreu muitos insultos na escola e apelidos como “Frida perna de pau”.
Mas, com o apoio de seu pai, não se deixou abater por nada disso, era sempre muito vivaz e ja demonstrava que era diferente dos demais. Gostava de vestir roupas de homens e se portar como tal, o que criava um clima ruim com sua mãe.
Frida praticava esportes e queria ser médica, mas aos 18 anos, sofreu um grave acidente que a deixou acabada por vários meses. Impossibilitada de fazer qualquer coisa, começou a pintar para passar o tempo e o tema usado era toda a dor e sofrimento que estava passando. Frida começou a usar a pintura como forma de expressar seus sentimentos mais íntimos.
Aos 22 anos, já recuperada do acidente, conheceu seu grande e inesquecível amor, Diego Rivera. Essa relação sempre foi conturbada, casaram-se e separaram-se diversas vezes. Frida tinha muito ciúmes de Diego que era muito mulherengo, mas acabou se sujeitando aos seus caprichos para tê-lo por perto. Ela chegou a engravidar duas vezes, mas por conta de suas mazelas, não conseguiu levar adiante sua gravidez. Mais uma vez ela usa a pintura para expressar seus sentimentos.
Frida morreu aos 47 anos, deixando seu diário de sofrimento com suas últimas palavras:
“Espero alegre a minha partida – e espero não retornar nunca mais”.

Documentário: Vida e Obra de Frida Kahlo

Trailer do Filme: Frida

Page 1 of 3

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén