Categoria: Reiki– (Page 1 of 2)

Os Símbolos do Reiki por Otávio Leal

Uma bela explicação sobre a utilização dos Símbolos do Reiki. No vídeo o Mestre Otávio fala de algumas aplicações, mas tem muito mais! Cada Símbolo tem uma vibração e cada um atua numa determinada situação, seja física, emocional, mental ou espiritual.
Tem um símbolo que ele fala no vídeo que se chama Ra ou Ha, não sei ao certo , e também não sei de qual sistema é, mas os outros símbolos são os mais utilizados no Sistema Reiki Ryoho Gakkai ou Reiki Tradicional. São eles:
*Cho Ku Rei – Ensinado no Nível-I – Atua principalmente no corpo físico
*Sei He Ki – Ensinado no Nível-II – Atua principalmente no corpo emocional
*Hon Sha Ze Sho Nen – Ensinado no Nível-II – Atua principalmente no envio à distância, Passado, Presente e Futuro, atua no Mental
*Dai Ko Myo – Ensinado no Nível-III – Símbolo do Mestre – Atua no corpo espiritual. Tem uma vibração muito forte, inclusive trabalhando na eliminação de energias negativas.
Existem também outros Símbolos que ensino nos meus cursos e não são do Reiki Tradicional, mas que tem uma vibração muito elevada e por isso não poderiam ficar de fora dessa maravilhosa técnica de energização. Vieram do sistema Osho e Tibetano e foram passados para mim pelos meus Mestres.
Ele fala também dos Mantras: Om Mani Padme Hum e Om Tare Tuttare Ture Soha que são mantras muito poderosos. Não são ensinados no Sistema Tradicional, mas podemos usá-los em qualquer momento, sendo Reikianos ou não.

Explicando Reiki de Forma Simples

O Reiki é uma técnica de energização que é aplicada principalmente através das mãos, mas existem outras maneiras de enviar essa energia e uma delas é à distância.
Para ser um Reikiano é efetuada uma sintonização, que consiste em abrir os canais energéticos (que todos nós temos) e são utilizados símbolos milenares para efetuar essa abertura e limpeza. Falamos que essa sintonização é ligar o interruptor que está desligado em nós. Todo ser humano pode ser um canal dessa energia.
Os símbolos foram trazidos à luz pelo Mestre Mikao Usui. Um professor japonês que ouviu um chamado interno depois de questionamentos de seus alunos sobre as curas inexplicáveis que eram feitas antigamente, no tempo de Cristo, Buda e outros seres de luz que já existiram.
A divisão em níveis. Essa é uma técnica que tem que ser vivenciada em níveis para que a energia trabalhe limpando e harmonizando cada corpo do seu ser. O nível-1 começa a limpar principalmente seu corpo físico, no nível-2, o emocional, no nível-3 o mental e no mestrado o espiritual. Ser Mestre também não o obriga a ser um professor, como ele trabalha “muito” o espiritual, você pode usar esse nível apenas para crescimento pessoal.
É preciso ser um Terapeuta para ser Reikiano?
Não, de forma alguma. Você pode querer ser Reikiano apenas para cuidar de você, como muitos de meus alunos assim o fizeram e isso já é muito válido. Depois com o passar do tempo, se quiser, você pode ir cuidando de familiares, amigos, animais de estimação, até chegar ao ponto (se quiser) de querer trabalhar como terapeuta.
Essa energia que é aplicada ou transmitida para outra pessoa ou ser, não é a nossa. Não perdemos energia quando a transmitimos, muito pelo contrário, também somos beneficiados por ela.
Essa técnica é muito simples de ser transmitida e já no primeiro nível você já sai capacitado a aplicar.
Reiki não é uma religião ou seita, mas usamos todos os seus ensinamentos para nos ajudar a crescer espiritualmente, seja qual for a religião, seita ou filosofia que você siga.

Oração Reikiana Para as Mãos

 O PODER DE CURA DAS MÃOS

maos-de-luz-animada

Deus, meu Deus;
(Pai e Mãe de todos nós)
fonte única e verdadeira
de onde provem
toda força e luz,
ofereço-Te minha mãos
ao serviço amoroso
de tua infinita Energia.
Reverenciando meus antepassados,
meus mestres (visíveis e invisíveis),
meu santo anjo da guarda,
os Santos Arcanjos de Deus
(Miguel, Gabriel e Rafael)
e aos mestres do Reiki;
peço humildemente
que seja iluminado,
protegido
e direcionado
da melhor forma possível
na canalização do Reiki;
para o máximo bem de todos,
segundo Tua vontade
e revelação da Tua divina glória.
Amém.

Fonte: https://omundodegaya.wordpress.com

Oração Reikiana!

MaosReiki

Pai,
sou parte de um todo,
mergulhada na imensidão cósmica,
no lugar em que é preciso que eu esteja.
Que eu permaneça ao Teu serviço,
em comunhão com todas as criaturas.
Ilumina a minha mente e o meu espírito,
para que eu trilhe os caminhos
da serenidade e do discernimento.
Purifica o meu coração
para que a energia que passe através dele,
em direção às minhas mãos,
continue repleta do Teu Amor.


Pai,
abençoa as minhas mãos
para que elas sejam mensageiras
da Tua Paz e do Teu Bem.
Que elas sejam suaves e acolhedoras
na distribuição dos Teus dons.
Que elas levem a luz da Tua harmonia
aos seres por elas tocados.
Que elas conduzam até meus irmãos
a Tua amorosa energia de cura.
Que as minhas mãos sejam instrumentos
da manifestação do Teu infinito Amor.

Assim seja!

Fonte: Autor Desconhecido!

Escalando a Montanha

escalando

(por John Veltheim)

Viver versus existir – Quantas vezes durante estes últimos trinta anos de desenvolvimento pessoal me perguntei a razão de estar envolvido em tudo isso?

O conceito geral de crescimento pessoal parece, em muitas ocasiões, ser um exercício de masoquismo. Sempre nos confrontando e aos nossos sistemas de crenças; reconhecendo nossas limitações; consertando e reavaliando nossos relacionamentos, etc., etc., etc. … a busca da alma emocional, espiritual, física e financeira e cuidando todos com freqüência para a parte mais negra de nossa composição.

A pergunta que surge é: “- Por que não esquecer tudo isso e simplesmente levar a nossa vida diária fazendo as coisas que as pessoas normais fazem, como todas aquelas pessoas que se vê na TV?”

Há duas respostas principais:

A maioria de nós que está buscando e desenvolvendo não tem escolha. Nascemos com um estado de espírito que nos impele para a busca. Esta força compulsiva está se tornando mais comum enquanto a mente humana e a psique evoluem bem acima do conceito de serem utilizadas para a existência. A psique média agora não se contenta mais em simplesmente “existir”. Que viver numa interação dinâmica com o nosso meio ambiente.

A fim de vivermos com dinamismo a forma de vida que utilizamos, devemos desalojar as obstruções para esta interação dinâmica. Isto inclui o “fabrico” da existência que nós, a raça humana, aceitávamos como “normal” até bem pouco tempo. Os fios típicos no “fabrico” são os sistemas de crenças culturais, conservados a longo tempo ao redor – isolacionismo, preconceito, chauvinismo, orgulho e uma lista sem fim.

Por haver mantido este “fabrico” distorcido e torcido em nossa forma de viver, e porque agora estamos nos dirigindo para o querer viver interagindo, – nós somos forçados a confrontar estas atitudes e sistemas de crenças e a lidar com eles. Quando não lidamos com eles de maneira apropriada, saímos do equilíbrio e terminamos sofrendo – na saúde, emoções, relacionamentos, espiritualmente e financeiramente. Muitas vezes é este sofrimento que nos leva a assistirmos seminários ou ler livros que nos ajude em nossos caminhos.

A segunda razão pela qual nós fazemos tudo isso é porque interiormente sabemos que “existir” dia a dia é uma forma torpe de viver. Quando olho para trás, de forma objetiva, uns dez anos, verifico com rapidez o quanto já caminhei. Ao invés de viver uma vida controlada por pessoas ao meu redor, meu trabalho, minha saúde, meus conceitos limitados, crenças e atitudes, estou agora sempre, de modo crescente, ciente das possibilidades de vida e das alegrias enormes, diárias que posso experienciar da vida e de tudo que faço.

A conscientização crescente equipara-se ao escalar de uma montanha. Quanto mais alto se vai, mais além se enxerga. Quanto mais distante se avança em seu próprio crescimento pessoal, mais capacitado se fica para ver seu próprio potencial em relação a Alegria sem limites em sua vida. É claro, a conscientização crescente pode também fazer que se enxergue os próprios defeitos com mais facilidade, mas esta mesma conscientização fornecerá as ferramentas necessárias para corrigí-los, desta maneira podendo focalizar sobre a Alegria.

As se fazer REIKI por qualquer razão, a pessoa é iniciada em uma freqüência de energia mais alta. Falando com simplicidade, foi dado um grande empurrão para a escalada da montanha da conscientização. Esta conscientização crescente atrairá mudanças em sua vida enquanto seu corpo tentará libertar-se do “fabrico” restritivo da existência sem dinamismo.

É interessante como as pessoas escolhem, com freqüência, tornar as mudanças difíceis para si mesmas, porque não utilizam as ferramentas que são ofertadas para suavizar a estrada.

A interação dinâmica com o meio ambiente pode ser resumida numa palavra: HARMONIA. Quando vivemos em harmonia, estamos vivendo com Alegria, conscientização, amor e paz.

A função primária da Força de Vida Universal em partículas subatômicas é inter-atuar constantemente entre todos os átomos do Universo para mantê-lo em estado constante de Desenvolvimento Harmônico em sua vida!

O REIKI é, contudo, mais do que uma ferramenta. Como já foi mencionado anteriormente neste artigo, quando se é Iniciado no REIKI, sua vibração energética eleva-se. Significa que se for usado ou não como ferramenta, mudanças na sua vida continuarão a ocorrer, por causa da crescente conscientização. Quando olhamos para as pessoas que fizeram o REIKI há uns anos atrás e escolheram não utilizá-lo regularmente, é óbvio, assim mesmo, que ocorreram mudanças. Podem ter sido atraídos por um caminho espiritual diferente ou estudo de vida que provavelmente não teria acontecido se não tivessem sido Iniciados dentro de uma conscientização maior que os capacitaria a enxergar a possibilidade.

Reiki – Quando não sinto nada durante a aplicação!

Fonte: Texto integral do Mestre João Magalhães de Portugal

Quando não sinto nada a fazer Reiki

Clasped hands

Quando não sinto nada a fazer Reiki não é motivo para desistir mas sim para perceber e crescer em alegria.

Quando não sinto nada a fazer Reiki o que fazer?

O não sentir nada pode dividir-se em vários momentos:

  1. Sempre foi assim – acontece desde o momento da sintonização, nunca senti;

  2. É ocasional – em determinadas alturas ou durante algum tempo não sinto e ocasionalmente volto a sentir.

Nunca senti

O não sentir não tem propriamente a ver com uma sintonização mal realizada ou com o mestre não estar sintonizado. Por vezes tem a ver com a capacidade da pessoa ter uma percepção sobre si mesmo e a capacidade de se permitir sentir. É o mesmo que pedirmos a alguém para fechar os olhos e perguntarmos para explicar o que está a ver e ela nos dizer “nada”. Por vezes temos que ir mais profundo à forma como observamos e comunicamos. Podemos ver escuridão e temos que o saber comunicar. Ou seja, nesta situação a pessoa tem que “aprender” a sentir-se e a exprimir-se.

Isto pode acontecer com o desenvolvimento da prática de exercícios tão simples como:

  1. Como está a minha mão, o que sinto? Como está o meu pé, o que sinto? Como está a parte de trás da minha cabeça, o que sinto?

  2. Esfregar as mãos, depois afastá-las ligeiramente e sentir o espaço entre elas, as sensações entre as pontas dos dedos, as palmas das mãos. O que se sente? Ir gradualmente afastando cada vez mais para aumentar a percepção.

Os casos do “nunca senti” devem ser acompanhados com proximidade pelo mestre, daí ser importante haver acompanhamento e o aluno também transmitir essas situações. Novas sintonizações ou Reiju, podem auxiliar bastante nesta situação mas, o mais importante de tudo, será o praticante entregar-se à reflexão e ao desenvolvimento do seu sentir.

Por vezes deixo de sentir

Há alturas em que o praticante deixa de sentir a energia. Isso é normal e pode acontecer por uma série de razões. Aqui ficam algumas delas:

  1. Não está com a atenção plena ao momento e por alguma razão desliga-se do processo;

  2. Pode estar com muita preocupação;

  3. Pode estar com imensos pensamentos;

  4. A falta de prática pode levar à ausência de “sentir”;

  5. Pode ter ficado com demasiada energia densa dentro de si (e nesse caso não deve fazer Reiki a outros);

  6. Pode a energia da pessoa entrar em “conflito” com a sua própria e criar uma espécie de sensação de bloqueio;

  7. Pode a pessoa não querer a energia ou sentir-se invadido;

Para quem deixa ocasionalmente de sentir, convém sempre colocar a pergunta interior – porquê? Porque não sinto? O que se passou? Quando sentia e quando deixei de sentir?

As coisas são simples, não vale a pena mistificar mas sim observar como estamos na altura e se realmente estávamos de mente limpa e coração predisposto. Também não podemos esperar muito se não praticarmos.

Como mudar o não sinto nada a fazer Reiki para sinto a fazer Reiki

Acima de tudo temos que estar conscientes da expectativa que criamos. A expectativa é destrutiva e bloqueadora. Se espero sentir mãos quentes porque todos sentem mãos quentes, posso ter uma surpresa.

Para sentir a energia mais facilmente há uma “batota” muito importante, o nosso corpo deve estar pleno de energia. Se não estiver, poderá ser mais difícil (isto no caso de estar a fazer Reiki a outra pessoa). Para preenchermos o corpo de energia, devemos praticar (por exemplo) o Hatsurei-ho.

A nossa limpeza é também importante, por isso há que cumprir o banho seco e a chuva de Reiki, auxiliará a limpar o excesso de energia e a nossa aura. Sem esse peso de energia densa, torna-se mais simples focarmo-nos no que há a sentir, sem bloqueios.

Reiki e uma sessão inesperada!

o_passe_andreluiz_bgPodemos sentir o fluir da energia nas mãos mesmo não estando numa sessão ou estando conectado com a energia Reiki.
Se você estiver precisando de energia ou alguém próximo a você estiver precisando, a energia poderá começar a fluir sozinha através de suas mãos. Você sente como se a mão estive formigando, esquentar e até mesmo sentir o fluir da energia passando. Nesse momento, conecte-se com sua intuição e envie Reiki para você, para a pessoa que está próxima ou para o ambiente onde você está.

Minha experiência.
Uma vez eu estava numa sala com outra pessoa e de repente, minhas mãos começaram a fluir a energia. Pensei que era eu quem estava precisando e coloquei as mãos em mim. Mas minha intuição dizia que não era para mim. Então falei para a pessoa que estava ao meu lado: “Venha aqui que você está precisando de Reiki”. E foi feita uma sessão inesperada, mesmo sem saber o que deveria ser tratado.
Então, isso pode acontecer. Você sentir a energia fluindo e fazer uma aplicação de Reiki sem se programar.

Reiki – Dados Cronológicos

Fatos e Dados Significativos em Cronologia

A respeito do material de consulta sobre a história do Reiki existem muitas controvérsias, portanto, algumas datas significativas são aproximadas:
6000 a.C. – Registro no Tibete de técnicas terapêuticas através das mãos;
1603 d.C. – O Japão fechou as fronteiras, proibindo, sob pena de morte, o Cristianismo;
1853 – Os Estados Unidos pedem ao Japão porto livre, o que lhes é negado;
1854 – o Japão se rende aos Estados Unidos e seus aliados;
1865 – Nasce Mikao Usui, em 15 de agosto;
1867 – Começa no Japão a era Meiji com a posse do Imperador Mutsuhito;
1870 – Os jesuítas levam novamente o Cristianismo ao Japão;
1880 – Em 15 de setembro, nasce Chujiro Hayashi;
1898 – Mikao Usui viaja aos Estados Unidos para estudar;
1898 – O Hawaí é anexado ao território dos Estados Unidos;
1900 – Em 24 de dezembro, Hawayo nasce no Hawaí;
1917 – No dia 10 de maio, Hawayo casou-se com Saichi Takata;
1922 – Mikao Usui sobe ao Monte Kurama para jejuar;
1924 – Chujiro Hayashi conhece Mikao Usui;
1925 – Dr. Chujiro Hayashi é iniciado Mestre de Reiki, aos 47 anos;
1926 – Morre Mikao Usui aos 61 anos, no dia 9 de março e deixa aproximadamente 17 Mestres de Reiki vivos;
1934 – os pais de Hawayo Takata viajam ao Japão para um ano de férias;
1935 – Takata começa seu tratamento de Reiki com o Dr. Hayashi;
1936 – Na primavera, Takata recebe o Nível 1 de Reiki;
1936 – No inverno, Takata recebe o Nível 2 de Reiki;
1938 – No dia 22 de fevereiro, Takata é iniciada Mestre Reiki no Havaí;
1940 – No dia 11 de maio, morre Chujiro Hayashi (deixa cinco Mestres de Reiki vivos, iniciados por ele)
1941/45 – Guerra entre Japão e Estados Unidos;
1970 – Takata inicia a formação de seus 22 Mestres;
1970/83 – É criada a AIRA (American International Reiki Association);
1980 – Em 12 de Dezembro morre Hawayo Takata (deixando 22 Mestres vivos)
1983 – Nasce a Reiki Alliance.
(Dados do Iivro: Reiki Apostilas Oficiais de Johnny De’ Carli)

O Reiki chegou ao Brasil em 1983 pelas mãos do Dr. Egídio Vecchio, PHD em psicologia.

Linhagem ou Árvore Genealógica do Reiki

árvore do reiki
O conceito de Linhagem é difundida desde tempos remotos, seja através de reinados, seitas religiosas, práticas marciais, hierarquias, etc. No oriente, fica evidente essa prática, onde os mestres são muito criteriosos e muitas vezes se recusam a passar o conhecimento se duvidam da dedicação do discípulo.
No Reiki, também seguimos uma linhagem, o que garante a originalidade e seriedade dos mestres. Muitos dão um enorme valor à linhagem outros nem tanto.
Existem hoje em dia, inúmeros cursos que absorveram os conhecimentos do Reiki Original e o embutiram em sua práticas chamando também de Reiki, alguns exemplos são: Reiki Xamânico, Reiki Celta, Raibow Reiki, Reiki dos Orixás, Reiki Seichin ou Reiki Egípcio, Reiki Karuna, e por aí vai.
Não estou condenando essas vertentes, até acho muito interessante, também não posso falar sobre elas com conhecimento de causa, porque só fiz o Reiki Ryoho, o original, mas falarei sobre elas futuramente porque tenho curiosidade em saber como são e como funcionam. O que se sabe também, é que existem mais de 300 ou 600 símbolos, provavelmente cada vertente filosófica, religiosa ou terapêutica, já conhecia e fazia uso dos símbolos e após o surgimento do Reiki, englobaram em suas práticas com o nome de Reiki.
A minha trajetória do Reiki que começou em 2008, fiz o Nível 1 e 2 com a Drª Claudete França, a primeira mulher brasileira a receber o mestrado em Reiki Usui Tradicional em 1988, em San Diego-Califórnia. Conclui o Nível 3A e 3B com o Mestre Paulo R. C. Becker. Posso dizer que tendo somente o Reiki Usui Tradicional, já se tem material de estudo para uma vida inteira.
A seguir, veja a minha linhagem:

   Primeira Linhagem: Sistema Usui/Tibetano

Mikao Usui
Chujiro Hayashi
Hawayo Takata
Virginia Sandahl
Dr. Arthur Robertson
James Davis
Laurie Grant
Elena Vankamp
Terezinha Andrade
Messias Rodrigues da Silva
Paulo R. C. Becker
Cristina Quadros dos Reis

Segunda Linhagem: Sistemas Usui, Tibetano e Osho

Mikao Usui
Chujiro Hayashi
Hawayo Takata
Phyllis Lei Furumoto
Pat Jack, Carol Farmer, Cherie A. Prashn, Lean Smith
William Lee Rand
Maria Luisa Cordeiro Perez
Elisa Lobo Duarte
Verônica do Espírito Santo Silva
Khygor Zartan
Messias Rodrigues da Silva
Paulo R. C. Becker
Cristina Quadros dos Reis

Reiki e Kannon- A Grande Deusa da Compaixão (última parte)

Kuan Yin.2
Kannon da Pureza (Juntei Kannon)
Juntei é chamada a “Mãe Pura dos Budas” ou a “Mãe de Todos os Budas” porque ela rege o mantra sagrado Butsumo Juntei darani, por meio do qual os 70 milhões de Budas do passado alcançaram a iluminação. Como figura materna, ela atende aos desejos dos filhos. Ela purifica tudo o que toca. Também promove a paz entre pessoas em conflito, cura doenças, purifica corações e os enche de amor.
Ela tem uma cabeça, três olhos e oito braços (menos freqüentemente dois ou quatro). As mãos do meio não estão juntas, mas fazem o gesto de girar a roda do ensinamento. Uma das mãos à s vezes segura um pequeno machado. Muitas vezes ela é ladeada por duas figuras postadas sobre um pedestal de lótus ou por dois dragões que seguram botões de lótus.
Kannon de Mil Braços
Como o próprio nome já diz, esta Kannon tem 1.000 braços e também onze ou 27 cabeças (menos cabeças podem aparecer em esculturas; ver acima). Na maioria das mãos ela segura objetos que simbolizam possibilidades e rituais individuais. Entre as deusas Kannon, ela é a mais importante para o Reiki, pois o seu Siddham é o símbolo SHK.
Na famosa longa entrada do tempo Sanjûsan Gendô, em Quioto, a mais extensa construção em madeira do mundo, há uma Kannon gigantesca, erigida no centro, com aproximadamente 3,5 m de altura. Além disso, há 1.000 Senjû Kannons laminadas a ouro que são quase da altura de seres humanos e mostram todas as expressões faciais individuais.
Consta que toda pessoa que com paciência e tempo para procurar bastante, pode encontrar ali o próprio semblante. O Budismo Esotérico tem rituais com a Kannon de Mil Braços para prevenir doenças e proteger contra o fogo. A divindade xintoísta correspondente é Seiryû Gongen no Templo Daigoji.
A Kannon que Realiza Desejos (Nyoirin Kannon)
Ela tem uma cabeça. No início, ela tinha dois braços, que passaram a seis no Budismo Esotérico, para resgatar o ser sofredor nos seis reinos da existência com vários objetos, como a gema da realização dos desejos, a roda do ensinamento, as contas de oração e uma flor de lótus. A roda do ensinamento é às vezes sustentada pelo dedo indicador levantado da mão esquerda mais elevada.
A deusa está normalmente envolta por uma aura de chamas e usa uma coroa alta com um pequeno Amida. A mão direita toca o queixo e o cotovelo descansa sobre o joelho direito erguido. Uma das mãos faz o gesto que invoca a Deusa Terra como testemunha. Ela é mais claramente reconhecível porque um dos joelhos está erguido, enquanto a outra perna se mantém numa postura de meditação, as solas dos pés se tocam, como na meditação Gasshô do Reiki do Arco-Íris.
Kannon com um Ramo de Salgueiro (Yôryu Kannon)
Ela é também chamada de Kannon da Medicina porque se curva à vontade de todos os seres com a mesma flexibilidade de um ramo de salgueiro ao vento. Ou também pode ser porque esse ramo de salgueiro tem o poder de curar todas as doenças. A estátua representa uma Kannon sagrada que segura um ramos de salgueiro ou o leva num recipiente de água na mão direita. Ela é também representada com vestes brancas, sentada sobre uma rocha.
(Fonte: O Grande Livro de Símbolos do Reiki – Mark Hosak e Walter Lubeck)

Page 1 of 2

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén